14 de out de 2015

Papo Cabeça - Nós precisamos falar sobre Aborto


 Antes de ler esse texto de opinião, atenção:
 Por favor, não coloquem palavras em minha boca. Leiam atentamente e pensem antes de escrever para não virem pagar papéis de idiotas por falta de interpretação de texto ou por não concordarem com minha linha de pensamento. Vamos tentar ter uma discussão saudável, com argumentos válidos, okay?

 Antes de mais nada, deixarei bem claro:
 Eu sou a favor da legalização do aborto.

 "Mas isso é contra os ensinamentos religiosos/ Bíblia/ Pregação de Deus". Interessante isso que você falou, mas pelo que eu saiba isso não é argumento em um Estado laico como o Brasil e, outra, se seguíssemos uma religião ou ensinamentos religiosos quem garante que seriam os seus? Poderia ser o islamismo, satanismos (não, eu não sou satânica, eu acredito em Deus sim, mas é uma possibilidade!).
 Parem de usar religião como argumento. Isso, sinceramente, me deixa de estômago embrulhado. Sabiam que Hitler também usava isso como argumento? Assim como a Inquisição para matar milhares de pessoas inocentes?
 Estar na Bíblia, Alcorão ou sei lá o que não é desculpa, nem justificativa muito menos argumento para sustentar uma lei ou atitudes de Estado. Por favor, coloque isso em sua cabeça.

 Adendo para o fato de que eu já li a Bíblia, mas nunca vi uma referência ao aborto, em si - just saying....


"Você teria coragem de MATAR um bebê?!". Na verdade, só é considerado um ser vivo, para mim e alguns cientistas, aquele que apresenta atividades cerebrais e, se não me engano, é na 10ª semana de gestação que ainda COMEÇA a responder a alguns estímulos. Só para você ter uma noção, só no 5º mês que o feto apresenta um pulmão formado. 
 Mas, levando em consideração que todos somos um amontoado de células em estágios diferentes, vamos partir do princípio que: 1º Qualquer gravidez indesejada é perigosa para a mãe. 2º Não venham me falar de morte, nós, uma espécie que dizima milhares ao longo do anos, e ainda que defende que "Bandindo bom é bandido morto". 3º Como o sistema nervoso ainda não se desenvolveu, o feto não sente nada, ainda mais nas primeiras semanas que ainda está mais pra um formato de ovo do que ser humano. 4º, do jeito que vocês falam até parece que ela não pensou sobre isso, que não tem coração. Abortar é uma decisão difícil SIM, é só ler o depoimento daquelas que fizeram, é um decisão difícil, mas sempre existiu aquelas que o fizeram e vai continuar independente do que você fale.
 Aí que surgiu a discussão do "anencéfalo" onde, em minha opinião, o aborto deveria ser aprovado para aquelas que querem, você não será obrigada a carregar uma criança que tem grande probabilidade de morrer e caso não morra ser totalmente dependente e você ter de abrir mão totalmente de sua vida (o que é válido também, não me entenda mal, parabéns as mães que fizeram isso, mas ninguém é obrigado a fazer igual, ao menos não deveria), nem também é obrigada a abortar. É a sua escolha, como deve sempre ser, e eu não estou em posição de julgar ninguém.

 "Mas existem métodos contraceptivos, não tem mais desculpa pra isso". Acredito que a falta de educação sexual nas escolas seja o principal motivo para ter gente que ainda defende esse argumento tão chulo, tão vago, que parece vir de alguém que vive numa utopia imaginária.
 Se no seu livro de biologia estiver escrito que um método é 100% eficiente, por favor, queime-o porque tu deve estar aprendendo mais coisa erra. NENHUM MÉTODO É 100% EFICAZ, fora as pessoas que têm reações alérgicas a camisinhas e pilulas - sim, elas existem, e ninguém vai começar a seguir uma vida casta só por causa disso. 
 Fora que, como eu falei, somente agora estamos começando a ter aulas de educação sexual, ou melhor, campanhas de educação sexual, porque ainda existem pessoas conservadoras que são contra ensinarem esse tipo de coisa nas escolas, como se fosse um tabu. Sinto muito família tradicional brasileira, mas seus filhos não fumam, não bebem e não transam só porque "alguém disse", mas porque querem.
 E nem vou colocar em pauta aqui o  porquê de pregarem que somente a mulher tem que se preocupar com isso e casos tão horríveis como estupro.

"Sobre a culpabilização da mulher que sempre rola: Não cabe só à mulher a prevenção de gravidez; anticoncepcionais falham e nenhum é 100% eficaz, assim como todos os métodos contraceptivos existentes. E anticoncepcionais são doses extremamente fortes de hormônios, que nem todas as mulheres podem tomar. Culpabilizar a mulher por sua situação e desespero (mais uma vez) não adianta. Ao invés de culpabilização, vamos discutir o aborto seguro e gratuito? Vamos discutir o acesso de mulheres à saúde gratuita e de qualidade? Discutir a realidade que essa mulher viveu a sua vida toda? A assistência que ela recebeu antes, durante e depois? O pai ausente?"
- Via: Empodere Duas Mulheres


 "Muito fácil defender isso quando você já nasceu".
 Quanto a isso, esse comentário diz muito:
 "Enquanto você está no útero, enquanto você é um feto, enquanto você é pré-natal, todo mundo é "pró-vida", fazem de tudo pra te defender, lutam ferrenhamente pela sua vida, depois que você sai do útero, quando passa da vagina pra fora, depois que nasceu, ninguém quer nem saber, ninguém é pró vida mais, não tem auxílio, não tem apoio social, não tem investimento, não tem financiamento, todas aquelas pessoas que estavam recentemente lutando por você, dão as costas e desaparecem, não querem dar abrigo, sustento, amor, educação, não querem nem saber seu nome, tudo que você e sua mãe ganham delas é um grande e belo "foda-se, te vira!"."Pró-vida" meu ovo, corja de hipócritas travestidos de santo.É da gestante, e apenas dela, o direito de decidir se vai abortar ou não, ninguém tem direito em tal decisão se não a gestante, nem os parentes, nem o pai, nem o estado, nem quaisquer religiões".
 As mulheres, e somente elas (e você, meu querido leitor homem, que pode estar bem nervoso por eu ter escrito isso, deveria aceitar isso? Porque o aborto masculino já existe, e é tão frequente tão "normal". Através do abandono, seja sumindo de uma vez e a criança crescer sem pai, ou daquele "abandono camuflado" quando o pai só trabalha, não ajuda a mãe a criar a criança, e ainda reclama quando tem que passar tempo com elas, ou pior, reclama com a mãe quando elas fazem algo errado, como se fosse somente o dever dela educá-las. Isso é tão comum, que você pode ter crescido desse jeito e nem ter notado. Mas a gente nunca nota... O máximo que você pode fazer é dizer que quer a criança, que vai CUIDAR dela mesmo que ela não queira e não faça isso. Mas duvido que grande parte faria isso, vamos ser sinceros), podem decidir. E nem estou falando de maneira global. Por que? Pra evitar uma sem noção de vir aqui comentar: "Mas também sou mulher e acho isso errado". Legal filha, toma sua estrelinha, mas você está falando por você e não pelos outros. Seria o mesmo que eu dizer que, por ser mulher, eu não acho que maconha faz mal e achar ruim por você não fumar maconha.
 Exemplo ruim, mas é fácil de compreender.
 Nem precisaria dele se você se colocasse no lugar dos outros. Não, caro leitor, não estou tentando dizer que você pense realmente assim, gostaria que não pensasse, esse post é feito para aqueles que, infelizmente, não usam esses neurônios ai, para perceber que causas sociais são resolvidas não com base em opiniões pessoais, mas sim ao analisar o que precisamos na sociedade, com argumentos, usando a lógica para se alcançar uma convivência social agradável sem abrir mão da liberdade individual.



Dr. Drauzio Varella fala sobre aborto
Posted by Feministas Revolucionárias on Quarta, 15 de julho de 2015

 Legalizar o aborto não significa que você será obrigada a abortar, significa acabar com os lugares de abortos ilegais e precários e dar uma opção para mulheres que não tem capacidade financeira, mental, que foram abusadas e, o mais essencial, QUE NÃO QUEREM, a passarem por um processo longo e dolorido, e, por fim,terem um filho que pode, sim, vir a ser amado ou não - não sei se vocês sabem, mas ter uma criança é uma tarefa bem complicada, cuidar, criar, e, ainda, se faz merda a culpa é tua. Ninguém quer que tire, mas ajudar a cuidar que é bom, né. Sem falar que não precisa de amor pra gerar uma vida, mas a falta desse amor muitas vezes leva à morte.



"A falta de informação é força motriz do preconceito, que gera descriminação, que gera julgamentos e até linchamentos morais. Você sabia que 1 em cada 12 mulheres no primeiro ano de uso de anticoncepcionais engravida? Você sabia que as alterações hormonais no pós parto aumenta ainda mais a chance de engravidar mesmo tomando anticoncepcional? Vc sabia que fora destas duas situações , a taxa é de 3 a 10%, ou seja, de cada 100 mulheres que usam no período de um ano de 3 a 10 podem vir a engravidar.- Ah... use preservativo também!Você sabia que 51,8% das mulheres abrem mão do contraceptivo na hora do sexo?Sabe por que?"Muitas vezes, elas não se protegem devido a uma resistência do parceiro, que deixa de usar o preservativo por achar que ele vai diminuir o prazer ou interferir na ereção", justifica a ginecologista Marta Franco Finotti.- Ah não faça sexo então ou case e tenha um parceiro só.Pronto, o discurso do não faça sexo, da abstinência sexual da mulher. Ao contrário de sairmos em defesa de que a mulher possa exercer sua liberdade sexual com segurança, surgem culpabilizações ao ponto de devolvê - la ao que a sociedade patriarcal quer dela: Castidade e submissão ao homem.Agora, ignorar todo um contexto de opressão da mulher, em que ela é ensinada a ser submissa aos homens, e a submeter – se sempre ao que eles querem, como transar sem preservativo para não perder o homem que elas acreditam que pode ser seu príncipe encantado, as mulheres que reivindicam se feministas esquecem? Que feminismo é este de vocês?Que feminismo é este que parte de uma base superior de análise, que não olha para as camadas mais baixas, que não tem informação, nunca nem tiveram tempo para se informar. Uma quantidade enorme de mulheres sai da escola ainda no ensino fundamental, os dados falam de 32% de mulheres abandonando a escola no ensino fundamental, e nunca mais retorna, por que a pobreza faz com que elas precisem ir trabalhar, e os empregos que estas mulheres buscam são normalmente os postos de domésticas, onde o serviço é braçal e não é necessário muitaescolaridade.Com relação à escolaridade, 61% das domésticas não concluíram o ensino fundamental e 20,9% não terminaram o ensino médio e aproximadamente 52,9% das empregadas domésticas são negras. Entendeu? Estas mulheres não tem acesso a informação, não.As feministas, principalmente as brancas, tem um distanciamento da realidade que é gigantesco, e chegam nas páginas dizendo “é minha opinião”. Você sabia que a opinião é algo construído? Que para esboçar uma opinião, é necessário você pesquisar sobre o assunto e chegar a uma conclusão? Não concluir baseado em moralismo, baseado na sua própria opressão, baseado no senso comum, baseado no que as mídias convencionais estão falando, mas concluir baseado em pensar a situação como ela realmente é, colocar se no lugar da outra pessoa, imaginar se vivendo aquilo do ponto de vista da vivência da outra pessoa, sofrer junto com aquela pessoa todo o drama, entender o por que aconteceu e ai depois, falar sobre como se sentiu, sobre o que faria, ou não falar nada, apenas ser solidária.Muitas desconstruções precisam ser feitas nas mulheres para que misoginia internalizada não seja emitida como opinião, mas é necessário que você, que chegou no movimento feminista entenda que é preciso fazer estas desconstruções e esteja aberta a isso, não bata o pé dizendo é “minha opinião!” Toda vez que alguém cita isso em um debate, sabemos que vem reprodução de discurso de ódio, então antes de emitir “sua opinião” questione-se:- Eu pesquisei a respeito do assunto para compreender bem do que estou falando?- Eu estou me colocando no lugar da pessoa despida de moralismos e de senso comum? Despida de ódio ao oprimido? Despida do desejo de vingança que sinto por todas as mulheres que erram, por que eu fui obrigada a acertar sempre para ser aceita e ser reconhecida como a figura de mulher que a sociedade patriarcal criou?- Eu consigo fazer um exercício de solidariedade pensando “Ok, ela errou, mas e se ela fizesse o que o sociedade esperava dela, ela seria menos massacrada?- Eu consigo fazer um exercício de solidariedade e pesando: Por que tem que ser tão difícil para os grupos oprimidos enquanto para outras pessoas é tão fácil?Nós, estamos aqui, para entre coisas ensiná-las a ter solidariedade com as outras mulheres, estamos aqui para abrir a cabeça de vocês e fazer com que observem aquilo que o machismo, o elitismo, a branquitude as impede de ver, nos impede de ver, por que nós também somos chamadas ao nosso lugar por outras militantes e aprendemos cotidianamente a desconstruir e superar visões que estão deturpadas pelos lugares onde ocupamos e que estão distante da realidade de quem é oprimido.Desça dos seus privilégios, análise o que esta acontecendo com a outra mulher do mesmo patamar, entenda os pontos de vistas dela, as deficiências, e o grau de opressão maior que outras mulheres tem em relação a você e entenda de uma vez por toda que sua experiência pessoal não pode e não será exemplo para a vida de outras pessoas, por mais que você tenha sofrido para cumprir um papel que a sociedade esperava de você e tenha conseguido, nem todas as pessoas conseguirão fazer isso, e nãos será culpa delas ter falhado, mas será culpa da sociedade opressora que nos obriga a um papel que esta acima das nossas forças, acima das nossas possibilidades, e a cada passo errado, esta pronta para nos atacar, culpar e condenar. A sociedade é inquisidora das mulheres que não se enquadram, e você, ta junto com a sociedade neste papel?"
Por Verinha Verinha Dias (Verinha Kollontai)


 E, agora me diz, quem é você. ser todo politicamente correto e vida plena e perfeita, seguidor de TODAS as leis, para julgar quem fez ou quer fazer um aborto?

2 comentários:

  1. Postagem mais linda! ♥ Quando eu penso que nenhum blogueiro gosta de escrever sobre temas importantes, topo com o seu blog. Escrevi um texto sobre aborto no meu, faz um tempinho já, mas os meus leitores são fantasmas demais pra darem as caras e dizerem se entenderam ou não. Triste.
    Bem, gostei muito da sua postagem. Você colocou bastante coisa que eu não coloquei na minha. Vontade de que o mundo todo leia isso. ♥

    agataluz.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Amei e concordo com cada palavra escrita. A mulher tem que ter sim autonomia sobre o próprio corpo, ela e só ela que fazer as escolhas que só implicam a ela. Na hora de ser contra o aborto todo mundo é, na hora de criar todo mundo some, como foi dito.
    Você tem curte a pag EDM 😍
    Beijos

    ResponderExcluir

Não saia sem comentar!
Comentando vocês nos incentiva a continuar postando e podemos saber de sua opinião quanto ao post e/ou o blog!

OBS: Por favor. Vamos manter a postura.
Sem xingamentos com palavras de baixo calão