26 de jan de 2014

Minha crença incomoda muita gente (Deísmo)


 Não entendo a dificuldade de certas pessoas em entenderem a minha crença, sabe?
 Sei lá, acho que nesse Brasil, onde a religião é maior que os outros para grande parte das pessoas, é isso que eu recebo por pensar de maneira diferente.
 Quando a minha fase rebelde, de incompreensão e vontade de cair no pau e quebrar a cara dos falsos moralistas que queriam me fazer engolir as "verdades" deles goela a baixo, eu percebi que grande parte das besteiras que eles falavam era porque eles não conheciam e nem entendiam essa minha ideologia
 Pois bem, caso estejam curiosos, continuem lendo e descubram o que é o:
DEÍSMO
 Palavra estanha, não é? "Deísmo". Para muitos é.
 Para resumir, eu poderia definir deísmo como:

 "Aceitação de uma existência divina (Deus, como o chamam), mas não pratica nenhuma religião - não pode ser considerado católico, espírita, muçulmano, puritano e nem nada disso - e, também, não nega um mundo regido pelas leis naturais e físicas. Nesta "ideologia" a interpretação de Deus pode variar de deísta para deísta, ou seja, não se tem uma imagem pré-concebida de um cara barbudo sentado em um trono dourado colocando um tijolo num muro com seu nome a cada boa ação, ou tirando se for o caso.
 Onde se acredita que as ideologias religiosas e a ciência devem andar lado a lado, e não uma ficar tentando encher o saco da outra ou negando suas afirmações.
 A maioria, como eu, não acredita no que está escrito nos "livros sagrados" (Como a Bíblia ou o Alcorão, por exemplo), por achar que isso é invenção dos homens daquela época , apesar de eu tomar em base certas coisas que eu acho certo de lá - por ter crescido em uma família religiosa - mas, é isso, posso somente vê-lo como uma fonte de inspiração espiritual.
 O maior presente de Deus não é a religião, mas sim a capacidade de raciocinar" 

 Uns dos mais famosos deístas da história é, ninguém mais e ninguém menos que, Voltaire, George Washington, Thomas Paine, Thomas Jefferson e Benjamin Franklin.

 Em minhas pesquisas sobre crenças e tudo mais, nessa busca por alguma coisa que se encaixasse em minhas convicções e eu pudesse sentir algo do tipo: "É isso! É exatamente nisso que acredito!", um dos parágrafos mais importantes que li na Wikipédia, foi:

Os deístas em geral consideram que Anjos e Demônios são apenas fraquezas da mente humana que podem ser vencidas pelo raciocínio lógico; assim como não acreditam que Deus castigue ou premie as pessoas pelos seus atos, acreditando que cada um é responsável pelas atitudes que toma e suas consequências, não castigando pessoas homossexuais, que usam tatuagens, roqueiros e outros.

 Compreenderam?
 Não, eu não "crítico" Deus, eu critico as religiões, entende?
 Eu não acredito que gays irão para o inferno, que as mulheres devem ser submissas, que eu deva dar dinheiro para padres/pastores/sacerdotes para conseguir "milagres", não consigo acreditar que absolutamente tudo nos livros sagrados é verdade e que ninguém naquela época pensou em manipular os outros (qualé, tentam até hoje!), não consigo acreditar em "anjos" e que Deus está realmente ligando para absolutamente TUDO da vida de cada um - sei lá, acho que deve ter coisas mais interessantes pelo universo.

 É nisso que acredito, e sou perfeitamente feliz e realizada com isso.
 Mesmo que exista um Deus, não quero precisar de seus milagres, quero me tornar forte o suficiente para fazer as coisas por mim mesma. Em suma, meu Deus não é uma "Deus Pessoal". Não preciso me agarrar a crenças para que eu saiba o que é certo ou não de se fazer (algumas pessoas tentam me fazer engolir a religião delas como se esse fosse o "caminho da salvação", "da iluminação" (parece coisa de eletricista) e "caminho da verdade", bem, não importa como você chame esse caminho, eu já estou trilhando o meu - e, acreditem, eu tentei andar por um monte desses caminhos, caminho católico, caminho budista, caminho espírita, mas num dá.

 Espero que tenham entendido e conhecido um pouquinho sobre essa minha crença e ideologia que sigo em minha vida.
 Acho que essa é uma das vantagens de se estar vivo nesse mundo: somos livres para acreditarmos e sermos o que quisermos.

Posso ter defeitos, viver ansioso e ficar irritado algumas vezes, mas não esqueço de que minha vida é a maior empresa do mundo. E que posso evitar que ela vá à falência. Ser feliz é reconhecer que vale a pena viver, apesar de todos os desafios, incompreensões e períodos de crise. Ser feliz é deixar de ser vítima dos problemas e se tornar autor da própria história. Ser feliz é não ter medo dos próprios sentimentos. É saber falar de si mesmo. É ter coragem para ouvir um “não”. É ter segurança para receber uma crítica, mesmo que injusta.
— Augusto Cury. 

7 comentários:

  1. o importante é respeitar ^^

    http://galaxykawaiii.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exatamente! E, olha, como isso tá difícil hoje em dia!

      Excluir
  2. oi oi
    Eu também não sigo a religião cristã! Portugal não é um país que dê tanta importância à religião como o Brasil (eu tenho outros amigos que também não são cristão)

    Eu não tenho propriamente uma religião, acredito, sim, que existe uma força que está para além da compreensão humana, e que após morrermos iremos renascer com uma vida que reflete os pecados da vida anterior, e isto até chegarmos até chegarmos a uma espécie de vida "perfeita".

    Por isso como vês é mais ou menos como o Budismo!

    Eu realmente não conhecia bem o que era o "Deísmo". Mas não te preocupes aqui todos te respeitam =)

    Bjs :* linda

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, quase ninguém conhece isso, ai quando eu falo: "sou Deísta", sempre me olham torto e/ou me pedem explicações.
      Sei lá, acho isso muito chato, sabe?
      Yeap, parece uma teoria bem hindu e budista (embora que isso de "renascer" tenha me lembrado do espiritismo).
      Tks <3

      Excluir
  3. " Não, eu não "crítico" Deus, eu critico as religiões, entende?" THIS
    Eu não consigo ter super amigos religiosos, por exemplo. Não dá. Toda vez que falam "você não deveria ser assim e mimimi" eu realmente não consigo ficar calada. Eu acho esse povo hoje em dia, cristãos principalmente, tão chatos. Fazem propaganda do seu Deus como se fosse o único que existe. Coisa chata!
    Pra mim, religião deveria ser bondade. E hoje em dia, o que eu vejo, são pessoas indo para a igreja por medo. Pois se você não for: irá pro inferno. E o que realmente me choca, são as igrejas perseguindo gays. E outros pecados que realmente foram listados? Ninguém liga! A hipocrisia é enooooooooooorme. Não consigo tolerar.
    E, hm, a bíblia foi modificada, sim. Já assisti e li sobre isso, e um cara que estudou e pesquisou a bíblia, ele disse que coisas que Jesus escreveu, foram escondidas. Uma delas, é que ele diz que para você encontrar o Deus de quem ele dizia ser filho, não precisaria estar numa igreja nem nada do tipo. E o que as igrejas tanto falam hoje? Pois é! E a bíblia é muito arcaica. Não digo que tudo que está lá é mentira, mas acreditar cegamente em tudo também? tsc tsc
    Eu não sei ao certo o que sou ainda, para ser sincera. Alguns dias me sinto agnóstica, outros, deísta. Sei lá. Só sei que religião nunca foi a minha praia. Adorei o post! ;)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, também tentei seguir várias doutrinas e religiões. Ainda não obtive sucesso. Quer dizer, desisti. kkkkkk

      Excluir
    2. Ana, chega mais pra eu te abraçar.
      Exatamente! As pessoas tem ideias tão erradas, pré-concebidas, a maioria nem pensa no porquê que vão para a igreja, nem questionam pra onde vai se dízimo (não tô lembrada de ter lido na Bíblia que Deus é mendigo pra ficar pedindo dinheiro em troca de favores, como milagre. Ele não é a nega de ninguém).
      Eu sei como é isso de tentar "se adaptar", por isso resolvi seguir uma ideologia "adaptável" XD
      Obrigada sua linda!

      Excluir

Não saia sem comentar!
Comentando vocês nos incentiva a continuar postando e podemos saber de sua opinião quanto ao post e/ou o blog!

OBS: Por favor. Vamos manter a postura.
Sem xingamentos com palavras de baixo calão