17 de jan de 2014

Livro - Divergente

AVISO: APÓS A SINOPSE VOCÊ ENTRARÁ EM ZONA DE SPOILERS. ENTÃO, NÃO CONTINUE LENDO SE NÃO CONSEGUIR.


Gênero: Aventura, Ação, Ficção Científica e Romance || Páginas: 504 || Ano: 2012 || Editora: Rocco || Autora: Veronica Roth

Sinopse:
Numa Chicago futurista, a sociedade se divide em 5 facções: Abnegação, Amizade, Audácia, Franqueza e Erudição e não pertencer a nenhuma facção é como ser invisível.
Beatrice cresceu na Abnegação, mas o teste de aptidão por que passam todos os jovens aos 16 anos, numa grande cerimônia de iniciação que determina a que grupo querem se unir para passar o resto de suas vidas, revela que ela é, na verdade, uma divergente, não respondendo às simulações conforme o previsto. A jovem deve então decidir entre ficar com sua família ou ser quem ela realmente é. E acaba fazendo uma escolha que surpreende a todos, inclusive a ela mesma, e que terá desdobramentos sobre sua vida, seu coração e até mesmo sobre a sociedade supostamente ideal em que vive.


REVIEW [spoilers - DANGER]
 Bem, peguei o livro por engano, porque ele estava dando sopa em cima da cabeceira da minha irmã. Ela já tinha me falado vagamente sobre ele, eu já estava interessada. E acabou que eu terminei o livro em um dia! 500 PÁGINAS EM UM DIA.
 Em resumo, estou viciada nessa série.
 Mas vamos começar pelo começo (really?).
 O cenário em que decorre a história já é algo interessante por si só. Uma distopia, de um futuro dividido em que a sua personalidade define onde você se encaixa.
“Os que culpavam a agressividade formaram a Amizade. Os que culpavam a ignorância se tornaram a Erudição. Os que culpavam a duplicidade fundaram a Franqueza. Os que culpavam o egoísmo geraram a Abnegação. E os que culpavam a covardia se juntaram à Audácia.”
 Okay, no final a escolha é sua, porém, se seu teste deu uma facção e você escolher outra vai ficar martelando na sua cabeça: "Seu lugar não é ai. Seu teste deu outro resultado".
 E nesse mundo nossa protagonista, Beatrice, chega aos seus 16 anos e isso significa que ela deve escolher. A difícil decisão: Permaneço, ou não, na "minha" facção. Abnegação?  
 Vou admitir uma coisa para vocês. Pra mim, a Abnegação era a facção mais sem graça. Você faz tuuudo voltado para os outros, você tem que ser "altruísta". Não pode se olhar no espelho, veste cinza, as casas são todas iguais, mal existe decoração. Não pode isso, não pode aquilo. Não me admira que, no fim, ela tenha escolhido Audácia. Sim, eu teria escolhido essa facção. Na Audácia, você tem que ser corajoso, enfrentar seus medos, muitas pessoas são tatuadas, tem piercings e cabelos coloridos e a cor da roupa é preta e você não precisa vestir o mesmo modelo que os outros. Eles parecem livres.
 E foi essa liberdade que seduziu Beatrice. Desde do momento em que ela os vê saltar dos trens.
 Porém, seu teste de aptidão foi: Inconclusivo. E, se não fosse por Tori, ela seria perseguida desde o princípio. Porque ela é Divergente. Ela possuí aptidão para Abnegação, Audácia e Erudição.
 E ai começa o conflito interno de nossa personagem. Ela fica em dúvida. Deixar sua atual facção significa deixar sua família também, mas ela não se considera altruísta o bastante para permanecer e, por fim, toma a decisão de se transferir para a Audácia. 
 Sou egoísta. Sou corajosa.
 Assim, ela passa a ser conhecida, não como Beatrice Prior, mas sim como: Tris.
 Mas entrar para uma facção não é tão simples. Ela passa por uma série de provas e treinamentos que elevam ao limite tanto fisicamente como mentalmente e emocionalmente, arriscando a própria vida. Mas ela não tinha muitas opções. Ela não queria se tornar uma sem-facção.
 Lá, Tris,  deve passar por suas barreiras, seus medos e, até mesmo, suas fraquezas físicas por ela ser pequena e magra (eu gosto muito das lutas. EXISTE MUITA AÇÃO NESSE LIVRO E EU APRENDI COMO DERRUBAR UMA PESSOA MAIOR QUE EU). Também encontra novos amigos (bem, faz seus primeiros amigos, porque ela não tinha amigos na Abnegação): Christina, Will, Al e Uriah.
 E conhece o seu instrutor bonitão: Quatro.
 Um cara misterioso, sarado e muito abilidoso. E como nos gêneros existe "romance" dá pra notar com ela vai se envolver, né?
 Acho que os dois combinam perfeitamente, só não falo mais para não estragar a trama do segundo livro: Insurgente.
 Eu amo, imensamente, ambos os personagens.
 Quatro é um rapaz calmo, ou pelo menos aparenta, de 18 anos e que é o instrutor dos iniciando transferidos de outras facções para a Audácia. Ele, tava na cara, tentava ajudar Tris no que podia e acabou que ficou apaixonado por ela. O que também aconteceu com ela, talvez seja pela confiança que ele colocou nela desde o começo.
 E Tris, bem, mesmo ela fazendo algumas idiotices as vezes (mas ela tá perdoada, ela é jovem, tem somente 16 como eu e tem muitos problemas e segredos para lidar) ela é bem racional, o que leva a brincadeiras em relação a Erudição, e divertida. Apesar de ser impulsiva, ela é corajosa, e mesmo que não veja em si mesma, ela é, sim, altruísta. 

Porém, ela descobre mais o que significa ser uma Divergente e as coisas começam a ir muito além do que suas preocupações sobre ser aceita na Audácia. E toda sua coragem começa a ser colocada à prova.
 Mas o desfecho está mesmo ao final do livro, quando.... Nha. Não irei contar. Compre o livro e venha conversar comigo depois, okay? Já cheeega de spoilers.

 Enfim. O livro me ganhou totalmente, meu coração, agora, tem um pedaço de Divergente. Tanto pelo romance quanto pela trama e personagens. A trama que começou: "Nha", se desenvolveu e envolveu seus leitores. Há quem diga que se parece com Jogos Vorazes, só que, não. Não se parece. Sim, é no futuro, mas, não, as tramas são diferentes e são ambas boas.
 E eu estou morrendo de vontade de fazer uma tatuagem da Audácia agora....
 Espero que você leia também, e aqui fica minha recomendação.


Trailer do Filme:


TRECHOS ÉPICOS:
Sinto-me mais como eu mesma. Isso é tudo o que eu preciso: lembrar-me de quem sou. E sou alguém que não permite coisas sem importância, como garotos e experiências de quase morte, entrem em meu caminho.
 Eu sou Divergente. E não posso ser controlada.
Minha mãe me disse certa vez que não podemos sobreviver sozinhos e, mesmo se pudéssemos, não desejaríamos tal destino.
A razão humana é capaz de justificar qualquer mal; é por isso que não devemos depender dela.
A verdade costuma mudar os planos das pessoas.
E, às vezes, quando queremos a verdade, precisamos exigi-la. 
Eu troquei a covardia pela crueldade; troquei a fraqueza pela ferocidade.
Audácia, Abnegação, Amizade, Franqueza e Erudição. Qual é a sua facção?

4 comentários:

  1. Gente, adorei sua resenha... Você leu o livro em um dia? :O Caramba...
    Estou com uma vontade imensa de lê-lo :)

    http://asalvarmomentos.blogspot.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada <3
      Sim! Fui perseverante! A história de envolve tanto que não tem como largar o livro!
      Na moral, eu recomendo!

      Excluir
  2. Amei a resenha, sempre que vou em alguma livraria passo reto por esse livro, ele nunca me chamou atenção.
    mas agora eu quero muito ler, e também ver o filme
    beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Thanks, Lola!
      Também, até minha irmã comentar, não me chamava lá muita atenção. Mas foi uma agradável surpresa!

      Excluir

Não saia sem comentar!
Comentando vocês nos incentiva a continuar postando e podemos saber de sua opinião quanto ao post e/ou o blog!

OBS: Por favor. Vamos manter a postura.
Sem xingamentos com palavras de baixo calão